Home‎ > ‎Transições‎ > ‎

Exemplo de Rito para Moças

Hoje, não é mais o casamento o ponto de divisão entre a infância e a idade adulta de uma moça. Muitas avançam na carreira antes de escolherem se casar, ou viver junto, ou continuar sem compromissos. Não é mais uma vergonha como antigamente, e sim uma opção pessoal.

Portanto, podemos focar o ritual em oferecer para Ártemis as bonecas ou outros símbolos do mundo infantil, além de a jovem se declarar pronta para enfrentar as responsabilidades de uma mulher adulta. O ritual pode ser feito entre os 16 e os 18 anos, mas deve acontecer antes de ela sair de casa (seja para ir morar no alojamento da universidade ou no apartamento funcional da empresa ou no quartel militar ou na casa do namorado e afins). Segue uma sugestão do livro "Old Stones, New Temples", traduzida e adaptada pela Alexandra.

A jovem convida a família, amigos, professores e outros membros da comunidade que ela quiser, e pede a uma das mulheres para ser a oficiante e falar em nome da comunidade de mulheres adultas para a qual ela está entrando. O grupo se reúne em torno de um altar para Ártemis. Imagens das 'kourotrophoi' com as quais a garota tiver mais afinidade (entre Deméter, Geia, Hécate, Héstia, Leto, e as ninfas) também podem ser colocadas no altar.

- Oficiante: Estamos unidos hoje para honrar os deuses e marcar uma nova fase na vida de uma de nós, do nosso povo. [Nome], aproxime-se.

A garota se aproxima, carregando uma boneca ou outro item que simbolize a sua infância. Ela também pode escolher ofertar uma mecha do cabelo.

- Oficiante: Hoje estás aqui diante de nós, [Nome], não mais uma criança. Alguns aqui lhe carregaram na sua Amphidromia, ouviram seu nome pela primeira vez na Dekatê, prometeram te proteger e te amar como um membro da família, como amigo e como heleno. Agora és uma mulher, dona de suas próprias ações, responsável por suas palavras e atos. Então lhe perguntamos: quem você é e qual a sua vontade?

- Jovem: Sou [Nome], de [Nome da pólis ou outra alcunha pela qual é conhecida]. Deixarei para trás as atividades infantis e tomarei meu lugar entre vocês como uma mulher.

- Oficiante: Ártemis guarda bem aquilo que está em seu cuidado. O que você irá oferecer a ela ao deixar de fazer parte de seu séquito de meninas?

- Jovem: Eu ofereço [nomear os itens].

Ela coloca os itens no altar, junto com as ofertas de bolos. Ela verte uma libação de leite, e diz o seguinte.

- Jovem: Megale (Grande) Ártemis, protetora das garotas, tu estiveste comigo por todos esses anos. Sou grata e honro a ti agora, na companhia do meu povo. A vida de uma criança é amedrontada com perigos, e ainda assim me protegeste com suas flechas ligeiras. Tu nos ensinas a nos sentirmos em casa quando estamos no mundo selvagem, e a honrar Gaia, mãe dos deuses e mortais. Tu és parteira, e - se for a vontade dos deuses - que eu possa chamar seu nome no parto que eu fizer para trazer de mim uma vida! Até lá, guarde [nomes de parentes ou amigas grávidas que ela conhecer] e alegra-te com minhas humildes ofertas.

Nesse momento, membros da família da jovem se aproximam, vertem libações e fazem preces de agradecimento a Ártemis e às 'kourotrophoi', lembrando-se de momentos nos quais elas ajudaram a moça. A jovem também pode fazer sacrifícios a quaisquer deidades cujo favor ela agora especialmente busca, como Afrodite, Hera, Deméter, ou Atena.

- Oficiante: [Nome], és bem-vinda entre nós, como helena e como mulher. Que você possa caminhar sabiamente e de forma justa no mundo, trazendo honra ao seu nome e aos seus deuses.

- Todos: Ésto! (Assim seja!)

As mulheres podem fazer um 'olologê' (grito ritual). Segue-se um banquete.

Comments