Home‎ > ‎Hinário‎ > ‎

Perséfone

Hino Órfico 29 a Perséfone:
Perséfone, abençoada filha do grande Zeus, filha única
de Deméter, venha e aceite este gracioso sacrifício.
Muita honrada esposa de Pluto, discreta e doadora da vida,
tu comandas os portões do Hades nas entranhas da terra,
Praxidikê (justiça exata) amavelmente trançada, pura flor de Deo,
mãe das Fúrias, rainha do mundo inferior,
a quem Zeus gerou em união clandestina.
Mãe do Eubouleus que tem várias formas e que ruge alto,
radiante e luminosa companheira de recreação das Estações,
augusta, toda-poderosa, rica donzela em frutos,
brilhante e de cornos, só tu és a amada dos mortais.
Na primavera tu rejubilaste nas brisas das campinas
e mostras tua figura sagrada nos brotos e frutos verdes.
Foste feita esposa de um raptor no outono,
e apenas tu és vida e morte para os mortais que labutam;
Ó Perséfone, pois tu sempre nutres tudo e matas tudo também.
Escutai, ó abençoada deusa, e enviai os frutos da terra.
Tu que floresces em paz, em saúde de mão suave,
e em uma vida de fartura transportas pelo ar a velha idade
em conforto até teu reino, ó rainha, e para o reino do poderoso Pluto.

(tradução da Alexandra)

Perséfone, filha do grande Zeus, vem, venturosa
Deusa unigênita, e aceita, grata, os sacrifícios! 
Esposa muito honrada de Plutão,diligente doadora da vida
que reges os portais do Hades nos recônditos da terra;
Justiceira [Praxídice] de adoráveis tranças, puro rebento de Démeter, 
genetriz das Eumênides; rainha subterrânea,
donzela que Zeus engendrou em nefanda união;
mãe do altitroante multiforme Eubuleu,
lucífera de esplêndida forma que brinca com as Estações,
onipotente insigne, donzela florescente de frutos,
cornígera brilhante deusa, só tu és desejada pelos mortais;
na primavera te agradas com as brisas dos prados, 
e revelas sua sagrada forma no desabrochar dos verdes frutos;
no outono, te tornaste noiva, levada à força ao leito;
És a vida e a morte para os mortais sofredores,
Perséfone! Sempre alimentas[pherseis] a todos, e a todos aniquilas; [phoneis]; 
Ouve-me, venturosa deusa, envia-nos os frutos da terra
viçando em paz e saúde generosa,
e trazendo a uma vida afortunada o conforto da velhice 
em teu reino, soberana, e de Plutão poderoso. 

(tradução do Rafael Brunhara)


Comments