Home‎ > ‎Festivais‎ > ‎

Boedromion (Dios)

ANO NOVO ESPARTANO - O ano na Lacônia começa no mês de Boedromion, enquanto o ateniense começa no mês de Hekatombaion, 2 meses antes.

NIKETÉRIA (Νιχητήρια) - Festival em honra de Niké, deusa da vitória.

GENÉSIOS (Γενέσιος) ou Genesia - Festival Ateniense público em honra dos mortos. As famílias honram particularmente seus mortos nos seus aniversários de falecimento. Há lamentações e discursos de louvor. Nos tempos antigos, a aproximação do equinócio de outono marcava o fim do tempo das campanhas de verão, então muitos desses festivais estão relacionados ao fim das lutas.

ARTEMIS AGROTERA (Άρτεμις Άγροτερα) - festival à Ártemis como deusa da caça, Artemis Agrotera (Caçadora), já que o 6º dia é o aniversário dela. O festival era realizado fora dos muros de Atenas, em Agrai nos Ilissos, onde dizem que ela primeiro se envolveu com a caça depois de deixar Delos. Também nessa data se diz que aconteceu a vitória ateniense na batalha de Maratona, e esse festival passou a se tornar conhecido como KHARISTERIA ("Ação de Graças"). Aparentemente, Ares também foi incluído nas festividades de alguma forma. Burkert notava que Ares e Artemis eram cultuados juntos antes das batalhas dos espartanos, ligando assim a guerra com a caça. 
[Kharisteria também é o dia em que o Rei Teseu de Atenas derrotou as amazonas na batalha de Ática (a Amazonamaquia) e é considerado o dia da perda do matriarcado, onde a Rainha das Amazonas Antíope ficou ao lado de seu marido e os atenienses lutaram contra as amazonas. Antíope foi morta por Molpadia. Este é um dia de lamentações para elas/nós. Um mês depois será o 'orkomosion', que é o sacrifício das amazonas realizado antes da festividade da Theseia. As amazonas assinaram um tratado de paz com Teseu, por isso esse foi chamado o 'dia do juramento'.] 
Sugestão: leia histórias sobre a batalha da Maratona (em Heródoto) e faça ofertas a Ártemis e Ares.

BOEDROMIA - Este festival é uma ação de graças menor, para Apolo (uma vez que o dia 7 é seu aniversário), em gratidão a ele como um resgatador na guerra. O Boedromia é dedicado a Apolo Boedromios ("o que ajuda na aflição", "o que corre para ajudar alguém") era um festival de conotação militar, agradecendo sua intervenção nas guerras. Ele poderia ser a comemoração de um evento como a ajuda trazida a Teseu na batalha contra as amazonas ou como o auxílio dado ao rei Erecteus durante seu embate contra Eumolpus. Neste dia também se faziam sacrifícios a Artemis Agrotera. Artemis Argotera tinha um templo no século V AEC, com uma estátua carregando um arco. Durante o Boedromia,  uma procissão armada ia ao templo fazer sacrifícios em honra da vitória na Batalha de Maratona. (Era um 'sacrifício matador' [sphagion] de 600 cabras, para Artemis Agrotera.) O templo foi destruído em 1778, quando os otomanos que ocupavam Atenas demoliram antigos locais para ter material para construir uma muralha em torno da cidade.

DEMOKRATÍA (Δημοχρατία) - Festival no qual os atenienses celebravam a democracia, o governo constitucional, e a justiça sob a lei. Eram honrados Zeus Agoraios, Atena Agoraia e a deusa Têmis. O estabelecimento da democracia em Atenas era visto como um presente divino dessas três deidades. Têmis é a deusa da lei divina, as primeiras leis não escritas que governavam a conduta humana e que foram estabelecidas primeiro pelos deuses celestes. Acredita-se que ela elaborou esses editos à humanidade através do oráculo de Delfos, o qual ela presidia com Apolo. Este é um dia para agradecer a liberdade política e os direitos que temos hoje. Você pode ler o Hino Órfico a Têmis, e pode recitar a Zeus e Atena [como deidades do mercado/ágora] este trecho de Euforion de Calcis, no século III AEC: "Enviem Eirene (Paz) com sua prosperidade aos homens! E, no mercado, deixem vir Têmis, retribuidora das boas ações; e, ao lado dela, Dike (Justiça), que salta como um tigre atacando em ira as ações dos homens sobre os quais ela olha - aqueles que provocam os deuses e desvirtuam seus mandamentos [isto é, suas 'themistai' ou 'leis divinas'] e de tal forma tratam seus frágeis pais com arrogância, zombando do conselho dos vivos e dos mortos; ou transgridem o banquete hospitaleiro e a mesa de Zeus."

PREPARAÇÃO para os Grandes Mistérios de Eleusis - as preparações começam dois dias antes dos Mistérios, pois no dia 13 dois cavaleiros, os Epheboi (Adolescentes), viajavam para o Eleusis e no dia 14 eles acompanhavam Ta Hiera (as Coisas Sagradas, ou os "sacras"), contidas no círculo Kistai amarrado com fitas púrpura, que eram trazidas pelo vagão da carroça até Atenas - algumas fontes dizem que as sacerdotisas carregavam as cestas na cabeça -, onde eram recebidas no santuário (Eleusinion). As sacerdotisas percorriam em silêncio os 30 km que separavam Eleusis de Atenas. Um oficial, o Phaidryntes (Limpador) das Duas Deusas, relata sua chegada à Atenas, quando a sacerdotisa de Atena oferece respeito às duas sacerdotisas de Demeter. (As duas Deusas são, claro, Demeter e Perséfone, mas seus nomes são considerados sagrados demais para serem mencionados nos ritos).

GRANDES MISTÉRIOS DE ELEUSIS - Agyrmos (Colheita) - Os "sacra" eram depositados no Eleusinion, o santuário de Demeter na Ágora (templo) de Acrópolis, até o dia seguinte, quando eram purificados no mar. Os 'que-seriam' Mystai, que já devem ter sido iniciados nos Mistérios Inferiores, entram na Ágora. O Kerykes (Arauto) chama-os para seguir em frente, e informa-os que eles devem ter "uma consciência (alma) de não maleficência" e que eles "devem ter vivido bem e justamente". Aqueles afligidos pela 'culpa sangüínea' ou outras impurezas são advertidos a sair (todos aqueles que tinham cometido algum delito ou que não falavam grego). Nesse momento nomes podem ser tomados e pode-se assegurar de que o postulante já foi iniciado nos Mistérios Inferiores. O postulante passa o resto do dia em exercícios espirituais recomendados pelo seu ou sua Mystagogos.

GRANDES MISTÉRIOS DE ELEUSIS - Holade Mystai (Em direção ao mar, Iniciados!) - O segundo dia é para a purificação. As sacerdotisas levam os "sacras" escoltadas pelos epheboi. Os postulantes - vestidos com túnicas brancas - viajam para o mar (ou outro lugar para ritual de limpeza). Ao comando dos tambores e dos gritos de "Em direção ao mar, Iniciados!" dos(as) sacerdotes(isas), os postulantes entram na água com suas ofertas, onde ambos podem ser purificados pelo sal da água. Nos tempos antigos, a oferta era um leitãozinho, que era fornecido ao postulante, porque o porco é sagrado para Demeter. No começo da noite o leitão era sacrificado e o postulante era aspergido com o seu sangue; mais tarde havia uma festa com a carne do porco. Hoje em dia nós costumamos usar milho cozido como oferta, e o postulante é aspergido com a água onde o milho foi cozido.

GRANDES MISTÉRIOS DE ELEUSIS - Hiereia Devro (Perto das Vítimas) - O terceiro dia é para o sacrifício principal às Duas Deusas. (Veja "Sacrifício Neoclássico" para mais detalhes).

GRANDES MISTÉRIOS DE ELEUSIS - Epidauria/Asclepia - Festival em honra de Asclépio - Neste dia o(a) postulante é isolado (a) entre paredes para se preparar mentalmente para a iniciação. Há também celebrações para o deus Asclépio (Deus da cura) neste dia. Ele vem, com sua filha Higéia (Saúde) e sua cobra sagrada, e requere a iniciação do Eleusiniano. Por meio de libações de vinho chamadas trygetos, invocava-se a proteção de Dionísio e Asclépio. Os sacerdotes preparavam kykeon, a bebida sagrada, e os iniciados continuavam recolhidos e jejuando. O Epidauria incluía uma procissão com mulheres carregando ofertas e um banquete com um sofá para o deus deitar. Esse festival ocorria exatamente seis meses antes do Asklepieia, que ocorria perto do Cidade Dionísia.

GRANDES MISTÉRIOS DE ELEUSIS - Pompe (Marcha para Eleusis) - O cavaleiro Epheboi, o postulante Mystai, seu Mystagogoi, o iniciado Mystai, e a escolta de oficiais Ta Hiera voltam pelos 30 km até Eleusis. A procissão começa no santuário de Iaco, e seu sacerdote, o Iakkhogogos (Guia de Iaco), lidera a procissão com a sagrada imagem de Iaco, que o retrata como um jovem portador da tocha. Iaco é o nome Eleusiniano de Dionísio/Baco; na procissão ele é o regozijante atendente das Duas Deusas, e mediador entre elas e o Mystai. As marchas são acompanhadas pelos músicos (flauta, harpa, voz); todos se unem em um grito de êxtase, "Iakkhe!" ("Grite!"). O Mystai veste roupas novas, uma guirlanda de murta e pode carregar bakkhoi (ou bacchus), que são cajados feitos de galhos de murta entrelaçados e atados com lã (símbolos da morte do velho e nascimento do novo); eles também podem carregar uma sacola de necessidades de viagem numa estaca. Observações religiosas são feitas pelo caminho. A procissão parava em certos lugares para deixar oferendas sob as hiera syke (figueiras sagradas). Em um lugar o Krokidai amarra uma linha de lã amarela (kroke) na mão direita e perna esquerda de cada postulante. Em outro lugar, na ponte sobre o rio Kefisos, os sacerdotes (mascarados ou disfarçados) expunham, publicamente, os vícios e as verdades vergonhosas dos iniciantes, que deveriam ouvir com humildade e não protestar. A intenção era expor o velho Eu para que ele morresse de vergonha e pudesse renascer. A parte final da procissão é com danças e cânticos à luz de tochas, porque Demeter é tradicionalmente retratada procurando Core pela luz da tocha. À noite o postulante oferece a Demeter o Kernos, que é um prato de barro com muitos pequenos copos junto; pequenas oferendas de frutas da terra (grãos, ervilhas, feijões, etc) são colocadas nos copos. O postulante divide-as com a Deusa.

GRANDES MISTÉRIOS DE ELEUSIS - Iniciação
1) Synthema. No dia de iniciação, sacrifícios de produtos de milho são feitos para as Duas Deusas. Em simpatia com Demeter quando ela pranteou a ausente Core, os postulantes jejuam e preparam a si mesmos mentalmente para o rito sagrado. Ao início da noite, como Demeter quando ela aceitou a bebida de Metanaira, os postulantes bebem o Kykeon (bebida misturada), feita de água engarrafada, produto da cevada fermentada, e menta 'pennyroyal'. (Há divergências quanto os ingredientes do Kykeon, mas esta é a fórmula dada no "Hino Homérico a Demeter"). A mais famosa inscrição sobre este dia resume o que os iniciados faziam: "Eu jejuei, eu bebi o kykeon, eu peguei algo no cesto, eu coloquei algo de volta no cesto e depois passei do cesto para o meu peito". O 'retirar do cesto' se refere aos objetos sagrados (uma esfera, um cone e um espelho), o 'colocar de volta' designa as oferendas' e a menção ao peito assinala o complemento de um ciclo: tirar - devolver - se preparar de novo, com preces e encantamentos.
2) Epopteia. A iniciação, que dura até a noite, se dá em uma construção fechada chamada de Telesterion (Lugar de Iniciação); no seu centro fica o Anaktoron (Lugar do Anax - Rei), o "Sagrado dos Sagrados" para onde ninguém além do Hierophantes (Revelador) é admitido. Os ritos específicos da iniciação são, claro, secretos, e não foram revelados até hoje (embora uma grande quantidade de conjecturas tenha sido publicada). Antes de entrar no Telesterion, eram feitas oferendas de cereais e sacrifícios de leitões na gruta de Hades, no templo Plutonion. Uma pedra na entrada da gruta, chamada "omphalos" (o umbigo do mundo) assinalava a transição da luz para a escuridão, a descida de Perséfone ao mundo subterrâneo, revivida pelos iniciados que encarariam os fantasmas de seus medos da morte e as aparições tenebrosas dos espíritos dos mortos. Depois desse momento de sofrimento, os iniciados presenciavam o Hieros Gamos (Casamento Sagrado), a união ritualística dos sacerdotes e a encenação do nascimento de Iaco, a criança divina, (que nasce e morre anualmente nos ciclos de renovação), simbolizada por uma espiga de trigo elevada pelo sacerdote no meio de luzes e ao som de címbalos. Em seguida, havia a revelação dos objetos da cista mystica, a cesta sagrada de Demeter e a celebração da continuidade da vida após a morte com os gritos de Ye (chuva) e Kye (nascimento), ou seja, "flua e conceba", a chuva fertilizando a terra.
3) Mysteriotides Nychtes, a noite dos mistérios. Reencenava-se o mito de Demeter e Perséfone em três estágios: o das Coisas Ditas (legomena), Coisas Feitas (dromena), e Coisas Reveladas (deiknymena). Há música, canções, e discursos; há ações rituais; há revelações sob a luz da tocha. Desse modo, o Mystai participa da alegria de Demeter na restauração de Perséfone - a transformação de Core, a donzela, em Perséfone, a Rainha das Sombras, esposa de Hades, senhor do mundo escuro dos mortos. O efeito dos Mistérios no iniciado é profundamente transformador, representando a esperança da vida renovada, a coragem em enfrentar as sombras e o medo da morte e a confiança no eterno ciclo das reencarnações. Mesmo as roupas usadas durante a iniciação são consagradas mais tarde. Os Epoptai (Aqueles Que Têm Visto) são iniciados do nível mais alto (que deve ter sido um Mystai pelo menos por um ano), que abraçaram o símbolo supremo de Demeter, como Triptolemos - o primeiro Iniciado - abraçou-o, e eles têm testemunhado o Hieros Gamos de Demeter e Zeus.

GRANDES MISTÉRIOS DE ELEUSIS - Plemo Choai / Plemokhoai (Banquete) - A celebração dos vasos sagrados que representam o ventre fértil de Demeter. Cada Mystes tem duas cheias d'água Plemokhoai (Enchentes da Maré), que são vasos de barro em forma de um alto parafuso. Um é com a ponta virada para o leste e outro para o oeste, enquanto o(a) Mystes pronuncia um encanto conhecido somente pelos iniciados. São reverenciados os ancestrais com libações de vinho e oferendas. Os sacerdotes levam as oferendas para as frestas da terra e despejam o conteúdo uma para o leste e outro para o oeste. As pessoas gritavam "hye, kye" (flua e conceba) e os sacerdotes invocavam o princípio paternal (para fluir) e a origem maternal (para conceber). Depois as pessoas comiam romãs e maçãs, as frutas do renascimento, comemorando a continuidade da vida e encarando a morte como uma simples pausa entre as vidas.

Obs.: Grandes Mistérios dos Eleusis ("Eleusina ta Megala" - Ελευσίνια τα μεγάλα, 15 a 21 de Boedromion) - Os Mistérios de Eleusis, os "Mistérios da Mãe e da Filha", são oriundos de um antigo festival da colheita dos cereais, um festival para a semeadura de outono. Eles eram, claro, mistérios, então algumas coisas sobre eles permanecem ocultas; em particular, os conteúdos dos Sagrados Kistai (caixas) e a atual iniciação dos Mystai (Iniciados). Qualquer pessoa podia ser iniciada, independente da idade ou do sexo. O festival é conduzido por Arkhon Basileus e quatro assistentes. Dois deles, os Hierophantes e Dadoukhos (Portador da Tocha), usavam os ependytes (uma túnica de mangas longas ornamentada na bainha e nos ombros), uma faixa na cabeça e botas Thrakian que vão até o joelho; eles carregavam uma ou duas tochas longas. Além disso, há os Mystagogoi (Guias Iniciados), que guiam os postulantes - normalmente seus amigos - até a iniciação.
Leia algumas considerações sobre os Mistérios Maiores de Eleusis clicando AQUI.

NINFAS, AKHELOUS, HERMES, GÉIA e ATENA - Ninfas: protetoras das fontes, rios, montanhas, mares, prados, lagos, pântanos, vales e florestas. Achelous: deus do Rio Aquelous (ou Aspropotamos) - o maior da Grécia, filho mais velho de Oceano e Tétis, assumia a forma de um touro, Héracles pegou um de seus chifres e fez a Cornucópia (chifre de plenitude). Hermes: mensageiro dos deuses. Géia: a Terra.
Como celebrar hoje: Faça as seguintes preces (frases adaptadas de trechos de Hector Lugo para outros deuses e ocasiões):
Akhelous, Alokhus, Hermes... "Ανοίξτε τις πύλες. Καλώς ήλθατε στον κόσμο, ο κύριος μου. | Abra os portões. Bem-vindo ao mundo, meu senhor."
Ninfas, Gaia, Atena... "Ελάτε Μεγάλης Κυρίες. Ευλογήστε με μέ την παρουσία Σας. | Venham, Grandes Damas. Abençoem-me com vossa presença."

Comments