Home‎ > ‎Festivais‎ > ‎

Anthesterion (Xanthikos)

ANTHESTÉRIA - PITHOIGÍA (
'Ανθεστήρια Πιθιογία) [
Abertura do Jarro] - O primeiro dia celebra a abertura dos pithoi (jarros) nos quais o vinho era fermentado. Uma pompe (procissão) simboliza a vinda de Dionísio do mar numa carruagem-navio para o Seu santuário. O Deus deveria ser representado por uma imagem ou um homem mascarado. A procissão inclui músicos e portadores dos instrumentos rituais, e outros homens, dirigindo carretas e talvez mascarados como os Sátiros, divertidamente lançando insultos aos espectadores curiosos. Os pithoi também são trazidos, e depois eles se quebram (abrem) e o vinho é misturado pelos sacerdotes (ou seja, diluído em água, como Dionísio ensinou aos gregos a bebê-lo), uma oferta das primeiras frutas é feita a Ele com uma prece pedindo que o vinho seja benéfico. Então o vinho é provado e há canções e danças, nas quais Ele é celebrado como o Amável-Florescer, o Festeiro, o Tempestuoso, etc.


ANTHESTÉRIA - KHOÉS (
'Ανθεστήρια Χοής) [Festa do Cântaro] - Neste dia todos os templos dos deuses são fechados, exceto o Limnaion, o templo de "Dionísio nos Pântanos" (limnais, embora não haja pântanos/brejos presentes), que só é aberto durante o festival. Então os espíritos do submundo são libertados para perambular e curtir as festas dos vivos. Para se protegerem, as pessoas passam piche nas suas portas e mastigam ramos de arbusto de manhã. Os negócios são suspensos e nenhum juramento é feito. Também neste dia é comum que todas as pessoas com mais de 3 anos de idade bebam vinho. (Espera-se que as crianças participem por causa da sua conexão com a fertilidade). Todo mundo, incluindo crianças, tem seus próprios khoes (jarros, sendo de 2 litros para os adultos) e bebem em canecas de vinho, normalmente adquiridas no festival. O khous tem um corpo arredondado, pescoço curto e boca trifoliada. Este é um festival muito orientado para as crianças, e o primeiro Khoes de uma criança é um dos maiores pontos de desenvolvimento da vida: Nascimento, Khoes, Puberdade e Casamento. Ele ou ela é coroado com flores e deve receber um khous, assim como outros presentes, como brinquedos e animais de estimação; os professores geralmente convidam seus pupilos para uma recepção. Este é um dia de bebedeiras, tanto em público quanto em particular. Pessoas diferentes são convidadas pelo mais alto sacerdote de Dionísio para uma competição pública de bebidas. Um sinal de trompete anuncia o começo da disputa, durante a qual ninguém pode falar (nessa hora as pessoas são separadas umas das outras assim como dos outros deuses que não Dionísio). A vitória vai para o primeiro a esvaziar seu khous, que é agraciado com um odre cheio. Competições particulares são similares, mas o prêmio é uma torta. Participantes trazem sua própria comida, cálices e khoes, já cheios de vinho misturado (da Pithoigia); o celebrante provém as coroas de flores, os perfumes e as sobremesas. Depois da disputa, eles colocam suas coroas de flores em volta de seus khoes e vão até o Limnaion, onde eles dão suas coroas para os sacerdotes. Lá eles todos agradecem a Dionísio despejando uma libação ao Deus do último vinho de seus khoes.


ANTHESTÉRIA - KHÝTROI (
'Ανθεστήρια Χύτροι) [
Festa do Pote] - Uma vez que os Gregos e Romanos contavam o dia a partir do pôr-do-sol, o último dia do festival começa na noite do Dia dos Jarros. Esta é a noite do Hieros Gamos (Sagrado Matrimônio) de Dionísio com a Basilenna (Rainha), a esposa do Arkhon Basileus (Sacerdote Rei); ele deve entregar sua esposa a Dionísio assim como Teseu, seu distante predecessor, entregou Ariadne a Ele. No recinto sagrado a Basilenna ministra um juramento de pureza para as quatorze mulheres, as Gerarai (As Veneráveis) do Limnaion, que são nomeadas por ela:
"Eu santifico a mim mesma, pura e consagrada,
de todas as coisas que não são purificantes
e especialmente de todo intercurso com homens,
e eu devo agir como Gerara ... nos moldes ancestrais
e em todos os tempos apropriados."

Elas então conduzem ritos sagrados, o que inclui fazer ofertas para os quatorze altares e dançar diante de máscaras de Dionísio como no Lenaia. Outra pompe (procissão) traz a Noiva Sagrada, que é identificada com Ariadne, para sua câmara nupcial no Boukoleon (talvez a antiga casa do Arkhon Basileus). Ela é precedida por um guia portando duas tochas, que personifica Hermes Psychopompos (Guia Espiritual); ele usa a ependytes, uma túnica decorativa. Um Sátiro (talvez mascarado) carrega a alta cesta do dote na cabeça ou faz sombra sobre a Basilenna; uma das Gerarai carrega uma tocha. Os ritos atuais de Hieros Gamos são secretos, mas isto pode ser dito. A Noiva Sagrada espera na sua cama nupcial, enquanto um Sátiro age como Thyroros (Porteiro) na câmara nupcial. Então, em segredo mas com um Sátiro acompanhando-o carregando Seu khous, Dionísio vem bêbado para Sua noiva para a consumação do casamento deles, durante o qual os festeiros com suas tochas celebram fora da câmara nupcial. (Tem-se hipotetizado que a Basilenna durma com um representante de Dionísio ou com uma pessoa mascarada, talvez o Arkhon Basileus ou o mais alto sacerdote de Dionísio). Depois do fim do dia o Aiora (balanço, "swing") comemora a Erigone (Prematura), que enforcou a si mesma de tristeza quando seu pai, que trouxe a vinicultura para Atenas, foi morto por um homem bêbado. As garotas se balançam numa dança e os garotos pulam em sacos cheios de vinho. Por essas ações e por enforcar máscaras agitadas e marionetes em árvores, as crianças transformam a memória de uma morte triste em um símbolo de jubilosa vida nova, purificam a vindima dessa tragédia (balançando num significado tradicional de purificação do Ar) e banem os espíritos do submundo (veja mais abaixo). Também neste dia o Hydrophoria (Portador-da-Água) é celebrado: uma procissão de garotas carregando hydriai (moringa d’água) nas suas cabeças vão para um lugar onde a água pode ser despejada numa fenda cúbica da terra; então elas comemoram seus ancestrais que morreram no dilúvio de Pirra e Deucalião, e celebram o desaparecimento dos dilúvios na terra. Finalmente, uma refeição é preparada para o morto (e para Hermes Psychopompos, seu guia), cozinhando-se vários grãos com mel em khytrai (potes de barro, a partir dos quais este dia é nomeado). De acordo com a tradição, era essa refeição, que é o mais primitivo prato de cereais, que era comido depois do dilúvio. Todo mundo divide essa comida, exceto os sacerdotes (pois os templos estavam fechados). No final do festival, os espíritos do submundo são banidos dizendo-se:
Thyraze Keres, ouk eni Anthesteria!
"Vão embora, Keres (Espíritos Mortos), o Anthesteria terminou!"

A celebração ritual do dilúvio, o balanço, e o banimento da morte marcam a ressurreição, como se fosse a própria ressurreição de Dionísio.

OBS.:
O Anthesteria é o "Festival das Flores," quando os primeiros botões de flor aparecem, e é um dos mais antigos festivais gregos, datando de antes do segundo milênio Antes da Era Comum; também era chamado de Mais Velha Dionísia. Nessa época, as videiras se enchem de novo e a segunda fermentação do vinho é completada; ficando agora pronto para beber, e então este festival complementa a Oskhophoria, que celebra a vindima. No primeiro dia, degustava-se o vinho da safra nova; no segundo, levavam-se guirlandas de flores aos templos. No terceiro, festejava-se o casamento sagrado entre o deus e a deusa, representados pelo rei e pela sacerdotisa, reverenciando-se ao final os ancestrais.
COMO CELEBRAR HOJE o festival de Anthesteria (festa das flores):
Sugestão (Álex):
1º dia: ANTHESTERIA - PITHOIGIA (Abertura do Jarro) - Faça uma máscara. Dance, ouça música, se souber tocar algum instrumento, o faça. Beba vinho com água, ofereça frutas a Dionísio, recite os hinos antigos a ele.
2º dia: ANTHESTERIA - KHOES (Festa do Cântaro) - Faça preces aos ancestrais que já se foram. Convide-os a participar com você. Beba vinho em caneca. Doe brinquedos às crianças. Brinque com seus animais de estimação. Confraternize com seus alunos e/ou professores. Façam competição de bebidas. Faça silêncio. Prepare uma torta doce. Use perfume. Faça libações a Dionísio.
3º dia: ANTHESTERIA - KHYTROI (Festa do Pote) - Leia o mito de Dionísio e Ariadne. Faça ofertas e dance diante da sua imagem de Dionísio. Acenda duas velas para Hermes Psychopompos como seu guia espiritual. Celebre núpcias. Balance em honra de Erigone, pulando e dançando. Enforque a máscara do primeiro dia, brinque de marionete, espante os maus espíritos, faça libações de água lembrando o mito de Deucalião e Pirra e comemorando o fato de não haver mais dilúvios. Prepare uma refeição para os ancestrais e para Hermes Psychopompos, condutor das almas, misturando mel com grãos e cereais. No final do festival, os espíritos do submundo são banidos dizendo-se: "Thyraze Keres, ouk eni Anthesteria!" = (Vão embora, Espíritos Mortos, o Anthesteria terminou!). A celebração ritual do dilúvio, o balanço, e o banimento da morte marcam a ressurreição, como se fosse a própria ressurreição de Dionísio.
Relato de Anthesteria celebrada pela Sarah Helena: clique AQUI para ver. Sugestão de celebração solitária ou para pequenos grupos do Sannion CLIQUE AQUI.


MISTÉRIOS MENORES DE ELEUSIS - A iniciação nos Mistérios Inferiores é um pré-requisito para a iniciação nos Grandes Mistérios Eleusinianos. Os Mistérios Inferiores realizam a purificação preliminar do Mystos (Iniciado). Esses ritos sagrados pertencem à Réia - a Mãe dos Deuses, embora também se diga que se celebrava o retorno de Perséfone do mundo subterrâneo, com rituais de fertilidade da terra, destinados a ativar o poder de germinação e o despertar/desabrochar da natureza, mas nada mais pode ser dito sobre eles.
considerações sobre os mistérios menores (sentido e propósito) no blog 'Sofá da Álex', clicando AQUI.


DIÁSIA (Δϊάσια) - A 'Diasia' (de Deus = Zeus) é o principal festival para Zeus Meilikhios (O Gentil), que é Zeus no seu aspecto submundano, manifestando-se como uma cobra gigante. Burkert sugere que essa imagem paternal significa reconciliação com os mortos, assim como seu epíteto se relaciona ao efeito apaziguador das ofertas aos mortos. Apesar desse efeito, o clima do festival era de alegria, como uma feira rústica, conforme Aristófanes dá a entender em várias referências. As famílias ricas queimavam ofertas inteiras a Zeus, mas as pessoas comuns ofereciam bolos no formato de animais. São as "ofertas sem sangue" ('thymata epikhoria'), como as descrevia Tucídides. Hoje fazemos apenas as ofertas de bolos/tortos/biscoitos no formato de animais, como ovelhas e porcos, mas também oferecemos grãos e frutos porque Ele é responsável pela fertilidade do solo e é normalmente mostrado com uma cornucópia (corno de bode). Segundo Kerényi, Zeus Meilikios também recebia ofertas de mel. Uma vez que este é um festival de propiciação, todas as ofertas são queimadas para o Deus. Depois disso, há uma festa geral e presentes são dados às crianças (que são especialmente queridas pelas deidades submundanas). A Diasia é um festival que acontecia não no centro de Atenas, mas na beira do rio Ilissos. 

COMO CELEBRAR HOJE o festival da Diasia:
Material:
    • Perirrhanteria – tigela com água para aspersão
    • Água lustral
    • Galho de planta para a aspersão
    • Vela ou outra chama para Héstia
    • Incenso ou essência (preferência aromas terrenos/amadeirados, como mirra ou patchouli)
    • Grãos (cevada ou outros)
    • Copo com leite
    • Copo com vinho
    • Krater (vasinho) para misturar água e vinho
    • Altar a Zeus com flores, figuras de serpentes e touros, cores marrom, preto, branco, verde-escuro
    • Biscoitos ou bolos em forma de animais (especialmente ovelha e porco) para oferta
    • Prato ou chão para verter os líquidos
Procedimentos:
A vela para Héstia é acesa com o Hino Homérico a Héstia, o espaço é purificado com a água lustral, o incenso é aceso com a frase "Paresmen time, sonta tas theas kai tous theous - Estamos aqui para honrar os deuses e deusas".

Parte dos grãos são espalhados no altar enquanto se diz uma prece como esta: "Sagrado Zeus Melikhios, Deus que dá abundância e fertilidade à terra, venho diante de ti para celebrar a Diasia, pedindo que possamos chegar logo ao próximo equinócio. Aceite minhas ofertas, que elas te agradem, e conceda suas bençãos e sua divina presença neste dia!" - "Lambane kai heydou anathema mou!" (Aceite e se delicie com minhas ofertas!)

Misture o vinho com a água no krater, dizendo: "Theasthe ta hudata biou." (Observem as Águas da Vida.") Prece que pode ser feita: "Venho agora diante do Deus Zeus Meilikhios! Para louvá-lo e agradá-lo, agradecê-lo pelos dons que me trouxe, para agradecê-lo por sua bondade e justiça, para pedir que Ele me ouça e dirija minhas preces a meus ancestrais, para pedir por proteção para mim, minha família, meus amigos, meu amor, e meus convidados. E para honrá-lo com alegria, preces e sacrifício."

As ofertas de comida são trazidas para (perto d)o fogo. Pode-se fazer as preces: "Grande Zeus, tu unes as coisas, dos imortais no Olimpo às sombras dos corredores de teu irmão Hades. Proteja nossas famílias, especialmente nossas crianças, e receba nossas preces de nossos ancestrais. Como aqueles que partiram te honraram no passado, assim te honramos agora, e esperamos que nossos descendentes possam te honrar sempre!" e/ou "Eu canto a Zeus, o melhor e maior dos deuses, que vê longe, poderoso, cumpridor dos desígnios que pertencem a seus intrincados esquemas com Têmis que se senta perto dEle. Sede misericordioso, Cronida que longe vê, o mais glorioso e grandioso!"

Asperge-se o resto dos grãos sobre as ofertas de comida, dizendo: "Ó Imortal, eu lhe trago presentes! Veja estas coisas e tome-as como desejar!"

Pegue o vinho misturado com água no krater, dizendo: "Grande Zeus, Rei dos Deuses, és justo e bondoso, és o protegor de todos os que te seguem. Tu que tudo vês, no Olimpo, na Terra e no Hades, eu te peço que concedas sua gentileza e proteção sobre mim e sobre todos que eu amo." Faça a libação com: "Zeus, Hilathi (seja propício)! Spondê!"

Pegue o copo com leite e verta também, dizendo: "Sponde! Dios Meilikhios!"

A última libação em vinho é para Héstia: "Hestiê, sou aei to protôn te to pumatôn!" (Héstia, a Ti sempre o primeiro e o último!)

"Sagrados Imortais, meu rito terminou. Se for de seu desejo, que eu possa voltar a seus altares, trazendo ofertas e cantando hinos de louvor e ação de graças!"

"Ésto" OU "Ghênoito" OU "Houtos heksoi" (todos são como um "assim seja").

As ofertas só são retiradas no dia seguinte.

(Fontes: Hellenion, NCH, HTAZP, PA e práticas pessoais.)


SOTERIA - Dia 5 de Anthesterion. Festival em honra a Zeus Soteros (o Salvador). A maior parte das fontes sobre o festival são datadas do século III AEC e da região de Delfos. Em Delfos o festival celebrava a vitória dos helenos sobre os celtas gauleses, no século III AEC; na ocasião os gauleses, liderados por Breno (Brennus) tentavam conquistar e saquear o cidade. O festival seguia os parâmetros gerais para as celebrações, com libações e sacrificíos aos heróis da batalha e principalmente a Zeus Soter, o salvador do helenos.

DELIA - Dia 29 de Anthesterion. Celebrações realizadas no santuário de Délio na Maratona, de onde a Theoria (grupo de representantes) ateniense começa a sua jornada para a ilha de Delos.

Comments