Home‎ > ‎Artigos‎ > ‎

Genesia e Finados

pesquisa feita por Cinara Cesario

GENÉSIOS (Γενέσιος) ou GENESIA (τὰ Γενέσια; tà Genésia) - Festival familiar realizado em honra aos ancestrais mortos (Herodoto IV.26). Em Atenas, tornou-se - alegadamente por instigação de Solon - um festival público dos mortos, cujas celebrações no 5o Boedromion também incluíram um sacrifício a Gaia (Philochorus FGrH 328 F 168). Havia lamentações e discursos de louvor. Nos tempos antigos, a aproximação do equinócio de outono marcava o fim do tempo das campanhas de verão, então muitos desses festivais estão relacionados ao fim das lutas.

Um festival chamado Nemeseia (por alguns identificados com a Genesia) era realizado em Atenas com o eu objetivo era evitar a nêmesis dos mortos, que deveriam ter o poder de punir os vivos, se seu culto tivesse sido de algum modo negligenciado (Sófocles, Electra, 792; E. Rohde, Psyche, 1907,I.236, nota I)[https://en.wikipedia.org/wiki/Nemesis#Local_cult]. 

“Depois do trigésimo dia ritual, a homenagem oficial do falecido é incorporada que toda pólis faz a seus mortos todo ano: o dia dos mortos é chamado Nekysia, ou o dia dos ancestrais (antepassados), Genesia. Nemesia é provavelmente um festival que dura a noite toda dedicado aos mortos (...) O festival ático de Genesia tem sido interpretado como um exemplo de comemoração comunal dos ancestrais, através da celebração ateniense oficial que se desenvolveu a partir de um festival menor e familiar; supõe-se que esse festival doméstico era chamado de Nekysia (...) Durante as celebrações memoriais, eles faziam refeições sobre as tumbas e os parentes invocavam os falecidos pelo nome (mneia), portanto, assemelhando-se ás modernas cartas ou moirologia, lamentos escritos em memória do morto”... Nesses dias os túmulos são adornados, oferendas são feitas, comida especial é comida, e em alguns dias também é dito que o morte ia e vinha na cidade.Como festival dos mortos, a estela do túmulo é lavada, ungida e ferida com filetes ou faixas de luto. Isso é ilustrado pelas imagens de vasos altos, lekythoi, usados para libação de óleo. As ofertas para o morto são derramadas, choai: caldo de cevada, leite, mel, frequentemente vinho, e especialmente óleo, bem como o sangue dos animais sacrificados. Havia também simples libações de água, razão pela qual se falava em banho do morto. De acordo com Isaeus, há também enagizein, a consagração e queima de alimentos e vítimas sacrificiais; mas os vivos, também, têm seu banquete, como na sociedade contemporânea. De fato, é através das  ́refeições dos mortais ordenadas pelo costume ́, a agradável, gordura fumegante, ofertas queimadas da terra ́que o falecido a recebe em sua honra.” (...)  Esta ligação cíclica entre morte e nascimento, um nascimento que poderia ser entendido em muitos níveis, também é visto através da etimologia da Genesia. De acordo com F. Jacoby, que trata do festival estatal ateniense,  ́genesia pertence ao genetai, a Genesia é o festival para os pais (ou ancestrais) ́, enquanto Lambert afirma,  ́esse rito ou festival ... é atestado no nível da família e do estado e no nível de grupos formais intermediários entre a família e o estado ́. De acordo com o lexicográfico Hesíquio,  ́Genesia é o festival de lamento dos atenienses e nesse dia eles fazem sacrifícios à Gê (Terra) ́. Então, durante o festival comunal ateniense de Genesia, pessoas lamentam e fazem sacrifícios à Terra. Nenhuma outra divindade que Ge ou Gaia, é mais adequada para ser protetora dessa eterna oscilação entre o término e o início: tudo nasce dela e retorna para ela. É a terra, a  ́Mãe de tudo ́, a alimentadora de ‘todas as criaturas que estão no mundo’, a criadora de todas as coisas, que dá nascimento e nutre tudo; é a Mãe Terra que cuida dos seres humanos e faz deles cidadãos da pólis. Mas também é a terra que irá cobri-los quando eles morrerem. É a terra que irá receber os humanos em seu seio maternal. Quando ela dá a luz a uma pessoa, ela leva outra embora” (HALAND, p. 320/323)

RITOS FÚNEBRES:

Prothesis: “A prothesis (disposição, "deitação") ocorria no dia seguinte à morte na casa. Durava o dia inteiro, e era quando os lamentos tradicionais eram cantados e os parentes e amigos do falecido se despediram pela última vez. Enfaixado em um invólucro de linho (o endyma), o cadáver era colocado em um esquife - um cavalete alto com um colchão espesso coberto de epiblemata. A cabeça do falecido era levantada em um descanso de cabeça. Eram as mulheres da família que estavam encarregadas de preparar o cadáver para o seu desdobramento. Lavavam-no, esfregavam-no com azeite, vestiam-no e decoravam-no com flores, coroas e jóias. A prothesis é freqüentemente descrita em vasos áticos.
Ekphora: No terceiro dia, antes do nascer do sol, a ekphora realizava a "execução" do cadáver. Era quando o falecido era transferido da casa para o túmulo. Envolvia uma procissão que, por lei, tinha que ir silenciosamente pelas ruas da cidade. Quando a procissão chegava ao túmulo, o cadáver lá era colocado. Era uma tradição da época de Kekrops (assim nos diz Cícero) plantar sementes no solo do túmulo - garantindo assim que a pessoa morta descansasse em paz e que a Terra fosse purificada. Outros escritores antigos nos dizem ainda que as libações líquidas (choai) eram despejadas sobre o túmulo, e isso é confirmado pelo número de kylikes e outros vasos encontrados ao lado ou em cima de túmulos. Nós também sabemos que havia uma cerimônia chamada 'os rituais do terceiro dia' (trita) que acontecia no sepulcro dois dias após a morte. Depois que o cadáver era enterrado, os presentes voltavam para a casa da pessoa morta. Fora da casa, agora ficava um pote. Este era o sinal de que houve uma morte e que o agregado familiar estava contaminado por uma poluição (miasma). Este
pote continha água - trazida de outro lugar - com a qual os carpideiros se limpavam quando se despediam. O ekphora é freqüentemente representado em potes áticos.
Perideipnon: O perideipnon erai o banquete fúnebre que tinha lugar na casa do falecido. Permitia que os parentes se reunissem e falassem sobre ele ou ela. A limpeza da casa também é mencionada, assim como as restrições quanto ao número de pessoas que podem entrar nela. Dos achados arqueológicos em cima de sepulturas - como cinzas, ossos de animais, fragmentos de vasos de bebida, pinakia e lekanides pensava-se que o perideipnon era mantido no túmulo. Mas a comparação com a evidência literária faz parecer mais provável que a refeição tenha ocorrido na casa, e que as substâncias carbonizadas e os potes amassados no túmulo sejam interpretados como restos de oferendas de comida aos mortos.
Ritos do nono dia: Oito dias após o enterro, os parentes e amigos se reuniam no túmulo para realizar os 'ritos do nono dia' (ennata). A única informação que temos sobre esses ritos é que eles eram frequentemente citados em casos legais. • Fim do Luto: O fim do luto era sinalizado por um ritual; não se sabe exatamente quando acontecia. De acordo com os escritores antigos, após este ritual, o agregado familiar retomava a vida normal, tendo realizado os seus 'deveres de costume' (nomizomena) ao falecido.
Ritos de Aniversário: “Mesmo depois que o período de luto terminou, a família ainda tinha obrigações para com os mortos. Os rituais que se seguiram à morte eram muitas vezes a ocasião para uma adoção, permitindo assim que um pai sem um herdeiro assegurasse que os rituais fossem realizados adequadamente. Isso mostra o quão importante eles eram. Um bom número desses ritos de aniversário é mencionado de passagem por alguns autores antigos. Eles tinham nomes como Genesia (aniversário), Nemesia (ritos para a deusa Nêmesis), Nekysia (rituais dos cadáveres), Epitaphia (ritos no túmulo), Horaia (ritos das horas), Apophrades (dias impuros), Miarai Hemerai (dias da maldição), Anthesteria (ritos de flor de primavera) e Eniausia (aniversários). Eles provavelmente envolviam uma visita à tumba (durante a qual oferendas de flores, guirlandas ou filetes eram feitas) e uma reunião doméstica. 

BIBLIOGRAFIA:
  • F. JACOBY, Γενέσια. A forgotten festival of the dead, in: CQ 38, 1944, 65-75. In: https://referenceworks.brillonline.com/entries/brill-s-new-pauly/genesia-e421480. Acesso em 31.10.2018.
  • HALAND, Evy Johanne.Rituals of Death and Dying in Modern and Ancient Greece. 
  • RHB. http://www.helenos.com.br/Home/festivais/boedromion-dios. Acesso em 31.10.2018. 
  • http://www1.fhw.gr/chronos/05/en/society/cerem_stages.html. Acesso em 31.10.2018.

Comments